As Tartarugas Ninjas (2014)


TMNT Poster

Como alguém nascido no fim dos anos 80, meus referenciais para As Tartarugas Ninjas são a série animada de 1987 e os filmes produzidos no início dos anos 90. Quando foi anunciado um reboot para TMNT, desconfiei se o quarteto criado por Kevin Eastman e Peter Laird teria algum apelo atualmente. Fui prontamente respondido ao ver a sessão lotada de crianças, muito provavelmente familiarizadas com os mutantes que hoje são exibidos em uma série animada em CGI da Nickelodeon (que também produz esse filme).

Megan

Não é uma boa atriz, mas é gata até para outras espécies

Nessa nova origem, April O’Neil (Megan Fox) está cansada de ser a repórter responsável por matérias superficiais e deseja subir na carreira investigando o Clã do Pé, gangue terrorista que assombra New York e responsável pela morte do seu pai. Graças a essa insistência a jornalista eventualmente acaba se encontrando com os répteis vigilantes.

Uma das críticas iniciais reclamavam bastante do visual dos protagonista. Apesar de bem diferente do que estávamos acostumados é um evolução que considero bem-vinda, deixando o conceito de tartarugas mutantes adolescente ninjas tão crível quanto é possível. Além do mais, as tartarugas que conhecemos ainda estão lá: Leonardo continua sendo o líder do grupo, Rafael é o revoltado, Donatello o gênio e Michelangelo sendo o mais engraçado. O rato Splinter também dá as caras como o mestre dos quatro.

O longa diverte bastante. Existem várias piadas sobre a cultura pop (um exemplo é a “voz do Batman” mostrada nos trailers) bem como piadas com peidos (afinal são adolescentes). As cenas de ação são muito bem feitas pelo diretor Jonathan Liebesman, em especial as coreografias de luta. O 3D, apesar de não ser nada demais, tem seus momentos. Mas acabam aqui as qualidades do longa.

O roteiro nivela por baixo o espectador e faz questão de frisar bem tudo o que está acontecendo na tela O TEMPO TODO. Pra começar há a sequência inicial que de certa forma é uma homenagem à origem nos quadrinhos, mas ela é praticamente um resumo do filme que ainda vamos ver. Temos também a necessidade de dar uma importância maior para a personagem da April e essa vontade é tão absurda e as coincidências que acontecem são tão grandes que é impossível acreditar em tudo aquilo.

Tava melhor no filme do Wolverine

Tava melhor no filme do Wolverine

Por darem ênfase a outro vilão, o Destruidor (Tohoru Masamuneé pouco mostrado, contudo o visual escolhido para o clássico vilão é completamente diferente do original e sem dúvidas incomoda muito mais que qualquer outro. Em vez do capacete metálico de samurai, foi dado a ele uma armadura completa com lâminas por todo o braço. Por ser apenas um homem normal (pelo menos até onde sabemos), é mais fácil acreditar em um rato que aprendeu ninjutsu lendo um livro do que um ser humano capaz de se mexer agilmente com centenas de quilos de aço sobre o corpo. Outros atores como Will Arnett, William Fichtner e Whoopi Goldberg – bem mais competentes do que Megan Fox – fazem o melhor com o roteiro que têm, infelizmente não é muito.

O filme não é muito diferente daqueles que víamos na sessão da tarde. Na pior das hipóteses, ele ainda consegue se sair melhor do que aquele no qual as tartarugas vão ao Japão feudal. O sucesso do longa tirou Guardiões da Galáxia do topo das bilheterias e já tem sequência garantida para 2016. Só posso torcer que, mesmo com o Michael Bay envolvido na produção, não sigam os mesmos caminhos traçados pelas sequências de Transformers.

PONTOS - SEIS TIROS6 tiros em 10

Anúncios